Samuel Salcedo nasceu em Barcelona em 1975, cidade onde vive e trabalha. Já expôs sua obra na Alemanha, Moscou, Istambul e vai ganhando o mundo... Suas esculturas se caracterizam por uma excelência técnica e o domínio dos diversos materiais com que trabalha (resina, madeira, alumnio) e onde integra a pintura, com a qual começou. Suas esculturas e seus personagens são inquietantes, carregados de uma ironia sutil e parecem interrogar o espectador. Pode-se olhar as esculturas de Samuel Salcedo pensando no que Van Gogh disse: “Meu grande desejo é aprender a fazer deformações, ou inexatidões e mutações do verdadeiro; meu desejo é que venham à tona também as mentiras que sejam mais verdadeiras que a verdade literal”. Muito próxima do teatro a obra de Salcedo me encanta, por isto passa a integrar o blog a partir de hoje. ___________________________________________________

Mais uma bela obra do catalão Samuel Salcedo

A pintura do Francis Bacon, bizarra, grotesca, inquietante é parte importante das minhas preferências artísticas há décadas. Me empenhei muito nos anos 90 pra ir a Madri ver uma exposição dele, talvez das últimas em que ele se fez presente. Era arredio, dizia que sua pintura expressava sua opinião sobre o mundo e pronto: nada mais a falar. Não sei se é privilégio ou pavor, mas quase todos os meus pesadelos se parecem com as situações e as personagens que ele pintou. Como este blog é pra compartilhar com os que o acessam a arte que gosto achei que o Francis Bacon era perfeito. E ele está aqui em apenas duas de suas genialidade misteriosas. A obra dele pode ser encontrada quase completamente na internet...se você gostar. Pra mim é impensável alguém não gostar de Francis Bacon. Mas....

09
NOV

Pesadelo artístico

Enquanto estive isolado numa bolha há alguns meses li e adaptei pro Teatro esta belíssima obra do escritor mineiro que me emocionou muito. Falei com ele sobre minha intenção de encená-la. Adorou e liberou totalmente a adaptação com frases que me impressionaram:      "A obra é sua, fique à vontade pra levá-la ao palco. Não tenho interesse em celebridades nem em dinheiro, gosto é de literatura". 

Reunida a equipe que vai nesta viagem comigo, começo a ensaiar este mês. E quanto mais leio a peça, mais ela me emociona e me dá prazer de dizer o texto. 

  Está desaparecendo pouco a pouco dos palcos a curiosa incursão pela alma do homem moderno, quase tudo são comédias ligeiras e superficiais que dão garantia de público.            

Com esta obra continuo no meu caminho de sempre: remar contra a maré, contrariar o que é moda e respeitar minha inteligência. 

Breve nos palcos do Brasil.


Esta frase que dá título ao post foi ouvida durante o velório de José Saramago.  

Ele é presença contínua na minha vida, nas minhas leituras, está sempre me revelando coisas nas entrelinhas dos seus livros que eu ainda não tinha percebido. Quando estou indeciso sobre o que ler, releio Saramago. Os dois textos abaixo são extratos de alguma de suas entrevistas.


DEUS E BÍBLIA
Por que eu teria de mudar [a concepção de Deus após a doença]? Porque supostamente me salvou a vida? Quem me salvou foram os médicos e a minha mulher. E De
us se esqueceu Das grandes catástrofes? Não quero ofender ninguém, mas Deus não existe. Salvo na cabeça das pessoas, onde está o diabo, o mal e o bem. Inventamos Deus porque tínhamos medo de morrer, acreditávamos que talvez houvesse uma segunda vida. Inventamos o inferno, o paraíso e o purgatório. Quando a igreja inventou o pecado, inventou um instrumento de controle, não tanto das almas, porque à igreja não importam as almas, mas dos corpos. O sonho da igreja sempre foi nos transformar em eunucos. A Bíblia foi escrita ao longo de 2.000 anos e não é um livro que se possa deixar nas mãos de um inocente. Só tem maus conselhos, assassinatos, incestos...

HUMANIDADE
A história da humanidade é um desastre contínuo. Nunca houve nada que se parecesse com um momento de paz. Se ainda fosse só a guerra, em que as pessoas se enfrentam ou são obrigadas a se enfrentar... Mas não é só isso. Esta raiva que no fundo há em mim, uma espécie de raiva às vezes incontida, é porque nós não merecemos a vida. Não a merecemos. Não se percebeu ainda que o instinto serve melhor aos animais do que a razão serve ao homem. O animal, para se alimentar, tem que matar o outro animal. Mas nós não, nós matamos por prazer, por gosto. Se fizermos um cálculo de quantos delinqüentes vivem no mundo, deve ser um número fabuloso. Vivemos na violência. Não usamos a razão para defender a vida; usamos a razão para destruí-la de todas as maneiras -
no plano privado e no plano público.


GASTRONOMIA & ARTE MULTIPLICADAS

Queria publicar aqui uma indicação de gastronomia & arte caminhando juntas, coisas que adoro. Um dos melhores restaurantes do mundo, fundado em 1725 em Madrid é o      “Sobrino de Botin”, freqüentado por ninguém menos que o escritor e dramaturgo genial Ramón de Valle Inclán, pelo Ernest Hemingway e muitos outros...já é um bom incentivo  pra quem não conhece, conhecer da próxima vez que for a Madrid e pra quem nunca foi ganhar uma empurradinha a mais quando for decidir sobre aquela viagem.                                     No “Sobrino de Botin” tudo é arte.

O vídeo fala muito melhor que eu. Assista.

 


Quis postar este vídeo porque é uma das cenas de dança mais teatrais que já assisti. E assisti ao vivo em 1989 no Aterro do Flamengo, no Rio. Foi criada em 1982 pelo grande coreógrafo Maurice Bèjart como um presente ao bailarino argentino Jorge Donn. 

Causou um reboliço na época e ainda emociona pela simplicidade e vigor.                       

Jorge Donn era um menino (morreu em 1992), Maurice Bèjart estava no auge da sua criatividade e a coreografia era uma declaração de amor ao bailarino que ele amava tanto. São15 minutos da mais pura arte de dois gênios da dança universal.

É deslumbrante, não deixe de ver quem nunca assistiu. 

E assista de novo quem já conhece.


Os livros de muitos escritores portugueses ocupam minhas estantes. Três especialmente: o José Saramago, Miguel Torga e mais recentemente Valter Hugo Mãe de quem li apenas dois livros: “A Máquina de fazer espanhóis” e “O Filho de Mil Homens”, geniais ambos e há outros na fila. Valter Hugo Mãe tem pouco mais de 40 anos e é também artista plástico, cantor, apresentador de televisão em Portugal. Nasceu em Angola em 1971. O próximo livro que vou ler se chama“O Remorso de Baltazar Serapião” que ganhou o Prêmio Literário José Saramago que disse dele: “É um tsunami literário. Por vezes tive a sensação de assistir um novo parto da Língua portuguesa”.

Pra quem é devorador de livros como eu esta declaração de Saramago é um aval mais que suficiente pra animar qualquer leitor a conhecer esse escritor admirável. Tô escrevendo uma adaptação de um livro dele para o teatro e me perco enredado em parágrafos belos como esses abaixo:

 

O velho Alfredo pensava secretamente que os filhos podiam ser só uma vingança contra o peremptório da morte. Como uma revolta contra o apagamento absoluto. Como se fosse de acreditar que através das crianças que se criavam se podia perdurar ainda. Mas as vinganças contra a morte, como contra o tempo, pareciam todas utopias ingênuas.”

 

Ou este:

 

O Camilo estendeu a mão à pequena mesa ao pé do sofá e agarrou o livro que ali estava. No escuro seria impossível reconhecer as palavras.

Lembrou-se, no entanto, de o haver pousado ali. Lembrou-se do título, do autor, lembrou-se do que lhe dissera o avô: um livro cura o câncer. Gostaria de acreditar que pudesse curar a morte. O livro, mesmo no escuro e mesmo assim fechado, fez-lhe companhia.”

                                     ______________________________________________________


 

 

Ela é uma das mais lindas cidades que já conheci. E a escolhi entre tantas porque tem o charme da história que adoro e porque nela vivem muitos amigos do coração.

Braga é uma cidade portuguesa, fundada pelos romanos com mais de 2 000 anos.

É conhecida como a cidade da Juventude, que apesar de ser a cidade mais antiga de Portugal é simultaneamente uma cidade cheia de jovens e tem um espírito jovem, chegando a ser distinguida como a cidade mais jovem da Europa em 2012.

No decurso do século II AC a região foi tomada pelos romanos que edificaram a cidade no ano 16 AC., com a designação de Bracara Augusta, em homenagem ao Imperador César Augusto.

No século XI a cidade é reorganizada e seu nome é Braga.

Sobre o Blog

Leia o Artigo Zero e conheça Marcos Fayad e a proposta do blog Pensar Não Dói.

Siga o Marcos Fayad

 

Arquivo de Posts

 

 


2011. Pensar Não Dói - Blog do ator e diretor Marcos Fayad.
Reprodução permitida desde que citada a fonte.
contato@pensarnaodoi.com.