Walt Whitman  é considerado pela crítica mundial como o maior e o mais importante poeta da literatura norte americana.

Morreu com 72 anos.

Seu livro mais importante FOLHAS DE RELVA foi lançado há mais de 150 anos e tem uma energia tão universal que seus poemas são cada vez mais assimilados por diferentes culturas.

Seus leitores hoje são considerados devotos e fazem comunidades no mundo inteiro e em torno dele se criou a whitmania.

Chamado de o poeta da liberdade, da democracia, do homem, em toda a sua vida fez apologia do corpo humano como a fonte suprema de prazer.

Em FOLHAS DE RELVA ele assume publicamente sua bissexualidade e até escreve poemas sobre seu companheiro de uma vida inteira chamado Warry.

Foi muito criticado e combatido pelos eternos moralistas de plantão e chamado mesmo de pornógrafo. Mas suas atitudes e seus poemas influenciaram pessoas como Fernando Pessoa, Garcia Lorca , Pablo Neruda e muitos outros pelo mundo afora. Um crítico Robert Strasburg, professor emérito de música da Universidade Estadual da Califórnia disse dele:

No século XXI Whitman será mundialmente conhecido como Shakespeare ou Beethoven.

                          _____________________________________


Um novo e pouco conhecido poema do Walt Whitman.                                                       
Um dos mais belos poemas de amor que já li:


Quando ouvi, pelo fim do dia, como o meu nome havia sido
recebido com aplausos no Capitólio, ainda assim não foi
feliz para mim, a noite que se seguiu;
E, quando festejei, ou, quando os meus planos foram atingidos,
assim mesmo não me senti feliz;
Mas, no dia em que me levantei cedo, em perfeita saúde,
renovado, cantando, inalando o maduro fôlego outonal,
Quando vi a lua cheia, a oeste, ficando pálida e a desaparecer
na luz da manhã,
Quando vagueei sozinho sobre a praia e, despindo-me, me banhei,
rindo com as águas frias, e vi o sol nascer,
E quando pensei em como o meu querido amigo, o meu amante, estava a caminho, Oh, então senti-me feliz;
Então, cada fôlego me foi mais doce – e todo o dia, meu alimento
me nutriu mais – e o belo dia passou bem
E o seguinte chegou com igual alegria – e com o próximo, pelo fim da tarde,
chegou o meu amigo;
Naquela noite, quando tudo estava calmo, ouvi as águas rolar
continuamente, lentas sobre as margens,
Ouvi o assobio sussurrado do líquido e das areias, como que dirigindo-se

a  mim, cochichando, felicitando-me, 'porque aquele que eu mais amo dormia a meu lado sob a mesma manta na noite fria,  na quietude daquele luar de outono o seu rosto estava inclinado para mim e o seu braço repousava levemente sobre o meu peito - e nessa noite eu fui feliz.'

Sobre o Blog

Leia o Artigo Zero e conheça Marcos Fayad e a proposta do blog Pensar Não Dói.

Siga o Marcos Fayad

 

Arquivo de Posts

 

 


2011. Pensar Não Dói - Blog do ator e diretor Marcos Fayad. Reprodução permitida desde que citada a fonte.
contato@pensarnaodoi.com.br